Liga Brasileira de Free Fire

Embora o Corinthians tenha embarcado para o México como um dos favoritos ao título da primeira Copa América de Free Fire, o alvinegro não conseguiu jogar em cima da expectativa do público e apresentou um desempenho abaixo do esperado na competição, encerrando-a na 4ª colocação.

Logo após embarcar em casa, Bruno “Nobru”, um dos grandes destaques do Corinthians, cedeu uma entrevista ao site da LBFF e comentou sobre a experiência no seu segundo torneio internacional – e o primeiro disputado lá fora.

O jogador, que completou 19 anos na última segunda-feira, 20, também falou sobre a disputa com os times estrangeiros, o que atrapalhou o Timão no campeonato e como chega a equipe para a próxima temporada da LBFF.

Nobru após a conquista do título brasileiro do Corinthians

Confira:


O que você e seus companheiros de equipe conseguiram extrair com o resultado conquistado na Copa América?

Nobru: Extraímos que as melhores vitórias vêm das derrotas e na Copa América eu e meus colegas de equipe conseguimos assumir uma postura diferente depois do campeonato, não ficamos cabisbaixos e fomos fomos atrás de treinar e se dedicar mais para ficarmos melhores e termos um melhor resultado no próximo campeonato.

Ficou surpreendido com o nível das outras regiões?

Nobru: Sim. Sempre ficamos surpresos com a jogabilidade e as estratégias dos gringos, até porque eles caem aleatoriamente nos mapas, não possuem um lugar fixo de queda e jogam com armas diferentes. É sempre bem interessante e intenso jogar contra eles!

O favoritismo que vocês carregavam atrapalhou no psicológico da equipe em algum momento?

Nobru: Eu creio que não atrapalhou não, o Corinthians Free Fire é um projeto que começou a pouco tempo atrás e ninguém colocava credibilidade na gente antes de ganharmos tudo. O favoritismo é consequência disso e temos que lidar com ele.

Falando nisso, o que você acredita que atrapalhou no desempenho do Corinthians no México?

Nobru: Tiveram vários problemas que nos atrapalharam na competição, como a questão da falta de costume com o celular do evento e toda a acústica da arena – não estamos acostumados a jogar com barulho externo e isso atrapalhou muito o nosso time, principalmente na hora da comunicação dentro de jogo.

Estamos próximos da quarta temporada da Pro League. O resultado negativo na Copa América servirá como base para vocês melhorarem até o nacional?

Nobru: Com certeza! Adotaremos uma postura totalmente diferente para a próxima temporada da Pro League, vamos mudar o nosso estilo de jogo e, quem sabe, trazer um novo jogador para reforçar o time – sem querer dar spoiler de nova contratação (risos).